Um sopro distante

O vento sussurrou baixinho
Mas ao invés de escutá-lo
Foi do suave abraço
Que entendi seu murmurinho

Vem lá do mar
De tão longe que nem vejo
Vem deslizando e fazendo ondas
Traz na brisa o seu cheiro

Então, respiro fundo
Fecho os olhos para sentir
o gosto do seu perfume
Fico a imaginar o seu mundo
Lembrar-me do rosto
Da tez do seu toque
Da verdade daquele beijo
Do adeus sem ter partido
De tudo

Onde flutuas, costumo vagar
Como som que se espalha
Do vento que me talha
Sopras dizeres distantes
e recebo todos como o hálito quente
Ouvindo ruídos do seu corpo no meu
invadindo meu silencioso imaginário
Remexendo meu sentido lascivo
Que agora, nesse instante
Me faz sorrir do malicioso instinto

(batschauer, 2012)

Em tempo: agradecimento pela revisão e participação da escritora Marlene Severino.

Anúncios

2 respostas em “Um sopro distante

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s