A Genealogia da Moral

Mais uma obra onde Nietzsche  filosofa e discorre sobre os aspectos da valoração, da crítica e genealogia dos valores. Aprofunda no ser humano como ser construido pela história. Após sua análise investigatória sobre os conceitos morais, afirma que o homem nada mais é do que um ser instintivo, negando assim o significado do transcendente.

Desconstruindo a moral, tenta explicar toda a sua essência, mostrando assim sua verdadeira realidade. Apoia-se na genealogia dos conceitos e à etimologia das palavras que, segundo ele, é o meio de compreender o seu significado e conhecer a história da sua evolução como única forma de penetrar na fonte de onde brotam a moral e seus valores.

Aqui, nesta obra, reafirma seus conceitos sobre “Bem e o Mal”, sobre “culpa e “asceticismo” utilizando menos seu usual linguajar poético-filosófico e reduzindo seus aforismos. Pretende  assim, responder às perguntas que o próprio autor coloca no prólogo: Em quais condições o homem inventou os juízos de valor expressos nas palavras bem e mal e que valor possuem tais juízos? Estimularam ou barraram o desenvolvimento até hoje? São signos de indigência, de empobrecimento, de degeneração da vida?

Boa leitura aos que se aventuram mergulhar nesse controverso, paradoxal pensador e filósofo moderno que considerava-se naturalmente ateu.

“Não me roube a solidão sem antes me oferecer verdadeira companhia.” (F. Nietzsche)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s